4
respostas

[Sugestão] Nós não podemos transferir a culpa dos nossos sentimentos

"Nós não podemos transferir a culpa dos nossos sentimentos". A minha tese é que não podemos generalizar esta afirmação.

Creio que essa afirmação pode estar um pouco distorcida, pois podemos elencar algumas situações em que o outro é responsável pelo nosso sentimento. Por exemplo, numa situação em que a pessoa é criticada repulsivamente, como num ato de injurica racial. A pessoa que sofre esse tipo de ato vai se sentir diminuida, com raiva, triste, depreciada, entre outros. Será que a pessoa que sofre é a responsável, inteiramente, por esses sentimentos?

Numa situação mais forte: um estupro. Após um estupro, determinada pessoa sente medo, ansiedade, vontade de morrer, raiva. Podemos atribuir esses sentimentos gerados e sentidos a apenas a pessoa que sofreu o estupro?

Portanto, creio que essa generalização não cabe no contexto real.

4 respostas

Olá, Geyson! Tudo bem?

Agradeço por trazer essa reflexão tão importante para a discussão.

A Comunicação Não Violenta (CNV) realmente enfatiza a responsabilidade individual pelos próprios sentimentos. No entanto, é importante entender que isso não significa que as ações de outras pessoas não possam nos afetar emocionalmente. O que a CNV sugere é que, embora as ações de outras pessoas possam servir como gatilhos para nossos sentimentos, a responsabilidade final por como lidamos com esses sentimentos é nossa. Muito obrigada por trazer essa reflexão tão importante.

Bons estudos!

Ponto interessante levantado pelo Geyson, mas, no caso da CNV, eu acredito que estaria relacionado à interação e à maneira que nos comunicamos com outras pessoas.

Felipe, a minha preocupação com o termo apresentado no curso é que ele generaliza esse entendimento "Nós não podemos transferir a culpa dos nossos sentimentos", como se em qualquer situação fosse assim. Acho (sugestão à ALURA) que seria interessante refazer esse trecho no curso e deixar mais especificado que, em algumas situações (como a que você levantou, Felipe, entre outras), é plausível esse entendimento. Porém, em situações extremas, como as levantadas por mim no primeiro tópico, seria quase impossível tirar a responsabilidade do outro perante os seus sentimentos.

Penso que as situações podem nos gerar diversos sentimentos, mas nossa responsabilidade está em como lidamos com esses sentimentos. Quais são nossas reações e respostas sobre o que sentimos, penso que aí está nossa responsabilidade.

Quer mergulhar em tecnologia e aprendizagem?

Receba a newsletter que o nosso CEO escreve pessoalmente, com insights do mercado de trabalho, ciência e desenvolvimento de software